Haras Lagoinha

Marisa IorioO criatório do Haras Lagoinha tem início em outubro de 1985, com o nascimento do primeiro produto da Raça Mangalarga, a fêmea Asteca do PEC (Alicerce OB x Groselha AG), neta, pela linha baixa, do lendário garanhão Turbante JO.
Podemos dizer que essa é apenas a data cronológica do início do haras, pois, na verdade, seu nascimento se deu nos sonhos e na mente de Marisa Iorio Corrêa da Costa que, já aos três anos era fascinada por cavalos.
Até hoje, Marisa não sabe explicar se ela começou com os cavalos ou se eles começaram com ela. O sonho, que foi crescendo junto com a menina, a paixão e a determinação levaram Marisa à concretização de uma realidade: proprietária do Haras Lagoinha, dando início ao criatório do sufixo PEC.

Experiências, vivências, intuição, estudo e especialmente o amor aos cavalos ajudaram a superar inúmeras dificuldades. Hoje, o Lagoinha figura-se como uns dos maiores criatórios da Raça Mangalarga, especializado na criação de qualidade, unindo a esse fator morfológico as pelagens exóticas, principalmente a pelagem Pampa com todas as suas derivações.

Ao longo desses anos, para formação da base do seu plantel, o criatório utilizou os seguintes garanhões: Figurino JO (Turbante JO x Baioneta Mangalarga), GlenarraMangalarga (Almanaque x Camomila Mangalarga), Carimbó JO (Cocar JO x Dança JO), Castelo OB (Folião JO x Hulha), Bismarck Mangalarga ( Rigoni x Traviata ), Rubro GM (Jarus GM x Harpa GM ), Festeiro do Alegre (Turbante JO x Unidade de G), Doublê GMF (Turbante JO x Seresta GMF), Coroado do PEC (Castelo OB x Coroa da Esplanada), Charles JO (Turbante JO x Lady Dy JO) e recentemente o Grande Campeão Nacional Pampa e Grande Campeão Nacional Mangalarga Pampa, Monteblanco do PEC (Charles JO x Lili JL).

Na linha baixa, podemos destacar as matrizes Lili JL (Beduíno x Íris), devido a sua grande importância, é responsável por toda uma denominação diferenciada dentro do próprio criatório, onde seus descendentes, também na linha materna, recebem além do nome o complemento Blanca ou Blanco. Além dessa inesquecível matriz, podemos ressaltar: Sucupira do Bonfim (Turbante JO x Fumaça da São José), Unidade de G (Dendico Garcia Mangalarga x Sota II), Relva de G ( Dendico Garcia Mangalarga x Kava de G), Brasa AG ( Favorito x Queijadinha), Baiablanca do PEC (Rubro GM x Lili JL) e Florestablanca do PEC (Glenarra Mangalarga x Baiablanca do PEC).

São eles:

Nesses vinte anos de criação, podemos destacar vários produtos do sufixo PEC, que foram responsáveis por manter o Lagoinha sempre na vanguarda da criação Mangalarga e Pampa.

Com inúmeros produtos nascidos sobre sua responsabilidade, Marisa descobriu que para se ter cavalos e criá-los com perfeição, o segredo é manter uma estrutura eficaz, métodos preventivos, atenção constante e muita dedicação.

Hoje, o Haras Lagoinha é reconhecidamente um dos principais centros de criação da raça Mangalarga e Pampa do Brasil, principalmente por sua responsabilidade de inovação com relação à inserção de pelagens diferenciadas no Mangalarga, bem como o sucesso na criação de cavalos Pampas, pois, com todo esse perfil inovador, marca uma forte e importante presença no mundo da Eqüinocultura Brasileira.