Pampa

Origem da Raça Pampapor Lúcio Sérgio Andrade

No Brasil, não há registro de uma data precisa da primeira introdução de animais pampas, mas acredita-se que a pelagem foi introduzida através de alguns poucos cavalos de origem bérbere, trazidos pelos colonizadores portugueses e, principalmente, pelos cavalos holandeses, quando da invasão de Pernambuco. Com estas raças, também foi introduzido no Brasil um tipo de andamento naturalmente marchado, razão pela qual o Pampa brasileiro apresenta, além de suas belíssimas variedades de pelagens, outro relevante fator diferencial de mercado: a Marcha. Esta característica funcional qualifica o cavalo Pampa nacional como um eqüino ideal para o LazerPasseios, Turismo Eqüestre, Cavalgadas, Enduros de Regularidade.

No mercado internacional, um Pampa Marchador é uma “jóia” de inestimável valor, e raridade!

A origem do nome pampa é a seguinte: Em meados do século XIX o brigadeiro Rafael Tobias Aguiar, vencido na revolta da província de Sorocaba, interior de São Paulo, fugiu com seu exército para o Rio Grande do Sul, onde aderiu à batalha dos Farrapos.
A maioria dos soldados montavam cavalos pampas, inicialmente conhecidos no sul como tobianos. Quando do retorno à São Paulo, estes cavalos passaram a ser gradualmente conhecidos no resto do país como os cavalos dos “Pampas” (codinome do Estado do Rio Grande do Sul).

O cavalo Pampa brasileiro está sendo formado com base em um padrão morfológico internacional tipo sela, preservando-se todas as modalidades de andamentos, que exprimem o real significado de um animal de destinado a diversas funcionalidades.

Capitel – Fonte http://www.pedigreedaraca.com.br/

Capitel

Adicionalmente, Capitel foi descrito por Fausto Simões, em seu famoso livro ‘Mangalarga e o Cavalo de Sela Brasileiro’, edição de 1979, como um dos formadores de núcleos de maior influência:”(…) De suma importância para a Raça, este reprodutor, de notável prepotência racial, marcou sua descendência com características inconfundíveis. É uma constante nos representantes deste núcleo animais com garupas amplas e bem conformadas, lombo curto, membros sólidos e bem aprumados. A pelagem mais comum é a tordilha, encontrando-se também com certa freqüência os pampas. Entre seus filhos e netos que se notabilizaram que se notabilizaram como expoentes da Raça, podemos citar: na linha masculina – Sete de Ouro, Sururu, Damasco, Durango, Cipó – e na linha feminina: Sagarana, Noiva Flori, Tarantela, Quênia, Laguna, Cegonha. (…)”